Acompanhe por aqui relatos e experiências registrados durante a produção da exposição.

Os sentidos do Nascer por um pai: Relato de Ka Ribas

O parto, mistério do nascimento, já foi tratado como evento puramente feminino onde a presença dos homens era proibida. Cabia ao pai aguardar ao lado de fora do quarto enquanto a parteira atendia à mulher.  A entrada só era permitida após o nascimento do bebê. Atualmente, vivemos em um modelo de assistência onde a presença do acompanhante de livre escolha da mulher é legalizada através de lei federal. A escolha de quem é este acompanhante independe do sexo e muitos pais passaram a acompanhar o trabalho de parto e o nascimento do filho. E a se emocionar.

A Sentidos do Nascer não poderia deixar de registrar aqui, no Dia dos Pais, o relato de um parto aos olhos de um homem presente e companheiro. O relato de parto de hoje é escrito por um pai: Ka Ribas. Ele pesquisa e divulga ensinamentos de tradições e culturas ancestrais ligadas ao xamanismo. Para ele o parto é muito simbólico e intenso.  Estar presente e apoiar Dani Cuccia, sua mulher, era importante.

Parabéns a todos os pais que, como Ka, apoiam suas mulheres e se esforçam para participar do parto e nascimento de seus filhos. Muito mais que um evento fisiológico, o parto é também é um evento familiar. Vamos conhecer o relato do nascimento do Pedro e os profundos sentidos do nascer que esta vivência trouxeram para o Ka e sua família?

Depoimento Ka Ribas

Nasceu, nesta sexta feira, 27 de fevereiro de 2009, às 18h49min, nosso muito amado e bem vindo Pedro, um ser humano admirável, frágil, lindo e mágico!

O local de nascimento foi um lugar encantado, onde anjos auxiliam a deusas trazerem para este mundo os seres humanos, assim considero a Casa de Parto do Hospital Sofia Feldman, uma instituição pública que dinheiro nenhum do mundo poderia fazer termos melhor acolhida por tão amáveis, solidários e humanos profissionais.

A mãe de Pedro, o que dizer dessa Mulher admirável, uma grande guerreira, de uma fibra, valentia, coragem, força e entrega que me surpreenderam e me fizeram amá-la ainda mais! Como a Dani se superou nesse dia! Doze horas de um difícil trabalho de parto, a face tranquila e serena em cada intervalo contrastava com os gritos, gemidos e urros das contrações. Sem anestesia, em nenhum momento escutei ela dizer que não daria conta ou que não agüentaria, mesmo quando a parteira disse que a cabeça do Pedro não estava bem posicionada e o parto seria mais complicado do que o previsto.

Eu, no meu impotente papel de pai, apenas podia massageá-la, dizer palavras reconfortantes e de estímulo, torcer e rezar. Pude participar mais ativamente até o momento em que a bolsa foi rompida pela parteira que disse assim acelerar o nascimento, isso já eram cerca de 16 horas e Dani já estava nessa desde às 7 da manhã! A partir daí, a parteira (Lília é o nome desse anjo), assumiu um papel mais ativo, apesar de que a Mãe, Pedro e a natureza foram os protagonistas principais.

Ser testemunha de um momento tão difícil, mágico, dramático e lindo foi um privilégio, uma iniciação, onde as lágrimas contidas, por medo de desestimulá-la, explodiram em um forte choro compulsivo na hora que vi Pedro ser atirado para fora da Dani.

As palavras também são escassas para descrever o momento em que primeiro vi o Pedro e o escutei, ainda preso ao cordão umbilical, chorar pela primeira vez. Chegou, nasceu, veio a “este” mundo meu filho, fruto de um ato de muito amor no lugar mais energético que conheço, a Ilha do Sol no Lago Titicaca, onde as lendas dizem ser o lugar de origem dos chamados “Filhos do Sol”, que a história conhece como Inkas.

Pedro nasceu sob o signo de Peixes, a data de 27/02/2009 possibilita os arranjos 9:9 (o dia 27, 2+7=9 e o ano 09) e 11:11 (dia, 2+7=9 + 02 do mês=11 e 2+0+0+9=11 do ano), duas referências numéricas muito significativas (…) Estava a pensar em algumas dessas coisas, sincronicidades e sinais, quando saí do quarto em que havíamos sido transferidos após o parto do Pedro, em direção à pequena varanda (todos os quartos da Casa de Parto do Sofia Feldman possuem uma) e levei meu olhar em direção ao Céu que estava esplendoroso e repleto de estrelas. Porém, a primeira constelação que vi, foi a Cruz do Sul, nossa referência no hemisfério austral e muito sagrada para as tradições indígenas. Nesse momento passou ao lado da Cruz uma estrela cadente! Senti uma gratidão tão imensa ao Grande Espírito, ao Infinito, o Criador, a Deus, que palavras não podem expressar!

Isso tudo me faz pensar na responsabilidade de ser pai de um serzinho tão especial como o Pedro! Quero concluir esse relato agradecendo com profunda reverência, ao Deus Pai que nos criou e à Pachamama, Mãe Cósmica que nos sustenta. Agradeço aos anjos que trabalham na Casa de Parto do Sofia Feldman, em especial à Lília e Rosângela que acompanharam o parto do Pedro. E um agradecimento muito especial você Dani, guerreira, mulher e mãe que já admirava e muito amava e agora admiro e amo ainda mais, sinto muito orgulho de você meu Amor! E a você, Pedro, Pedroka, meu filhinho, te amo incondicionalmente, com tudo que sou e que tenho, muito obrigado por você ter me concedido a honra de ser seu Pai!

  1. PAULINE FRAGA LIGNANI disse:

    Poxa! Hoje estou muito maternal (rsrsrs), chorei ao ler esse depoimento , do carinho que ele sente pela mulher, do apaio que deu á ela, nesse momento, do olhar dele em relação ao paro. Lindo, lindo. Parabéns!!!

Deixe um comentário